Coronavírus: veja como fortalecer o sistema imunológico contra essa e outras doenças

O novo coronavírus circula no Brasil e em Minas Gerais e hoje se tornou uma pandemia mundial, o que coloca as pessoas em alerta, principalmente no que diz respeito à prevenção da doença. Além dos cuidados básicos para prevenir a transmissão, cuidar do corpo, especialmente dos alimentos, também é essencial para fortalecer o sistema imunológico contra quaisquer doenças, incluindo Covid-19.

Segundo Natália Teixeira (Natália Teixeira), professora do curso de nutrição da Faculdades Promove, a “lista da saúde” inclui desde a clássica vitamina C até alimentos incomuns como castanhas e gengibre.

É muito importante manter uma grande quantidade de vitamina C nas frutas cítricas porque elas contêm muita vitamina C. Lembre-se de que esse efeito é para fortalecer o sistema imunológico e não para curar doenças.” A dica é comer frutas ou sucos preparados na hora. . Quando expostas à luz e ao calor, as vitaminas (como as encontradas em laranjas, limões, madressilvas, goiaba e mamão) perdem suas propriedades.

Outros alimentos

Os alimentos probióticos e prebióticos, que auxiliam o funcionamento do intestino, também precisam ser incluídos na dieta. “O funcionamento do intestino é muito importante para que outras partes do organismo funcionem bem, inclusive o sistema imunológico. Ter no nosso corpo uma microbiota que seja aliada do nosso organismo é muito importante. Por isso são recomendados alimentos probióticos, que são aqueles que possuem microorganismos vivos que são capazes de habitar a nossa mucosa intestinal”, explica.

Entre eles estão o iogurte natural e o kefir (bebida fermentada), assim como substâncias que vão servir de substrato para a multiplicação desses organismos, como fibras, aveia, linhaça e outros tipos de alimentos integrais.

Kefir é o nome do leite fermentado produzido a partir de seus próprios grãos, que contém uma variedade de microorganismos. “O kefir é um leite fermentado feito com uma mistura de microrganismos. Esses microrganismos podem ser obtidos de amostras comerciais ou artesanais, por meio de doações em grãos para a produção de ácido lático, peptídeos, aminoácidos e vitaminas. Também tem uma função. A alimentação sexual, ou seja, além da nutrição, também faz bem à saúde.

1. Ajuda a equilibra a flora intestinal O consumo regular do kefir tem a capacidade de reduzir problemas intestinais, uma vez que as bactérias boas melhoram a digestão e aceleram o trânsito intestinal. A bebida oferece ainda uma grande variedade de compostos bioativos, incluindo os ácidos orgânicos e os peptídeos, que contribuem para a saúde.

2. Auxilia a prevenção da osteoporose O kefir feito do leite é rico em cálcio, mineral responsável por dar resistência e força aos ossos. Por isso, ele pode ser aliado de quem quer prevenir a osteoporose, que é caracterizada pela deterioração do tecido ósseo, um problema muito comum entre os idosos. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária ..

3. Previne e combate problemas gástricos Em estudo realizado por pesquisadores indianos, publicado pelo National Center for Biotechnology Information, indica que a bebida possui um efeito protetor contra a úlcera péptica e o câncer gástrico, especialmente causado pela bactéria H. pylori, que afeta uma parte da população mundial. Segundo os resultados, a inclusão de probióticos contendo iogurte ou kefir leva a uma melhor eficácia melhorada no tratamento, além de reduzir os efeitos colaterais das enfermidades.

4. Fortalece o sistema imunológico Outro benefício importante do kefir é fortalecer o sistema imunológico, pois mantém a flora intestinal saudável, o que impede infecção por microrganismos através do intestino. Lembrando que para fortalecer o sistema imunológico, prevenindo o desenvolvimento de doenças e ajudar o corpo a reagir àquelas que já se manifestaram, é importante ingerir mais alimentos ricos em vitaminas e minerais (como as frutas, legumes e verduras), além de reduzir o consumo de fontes de gordura, açúcares e industrializados, com corantes e conservantes.

5. Reduz a pressão arterial Estudos realizados por pesquisadores da Universidade Vila de Velha, no Espírito Santo, apontam que o kefir combate o processo inflamatório do sistema nervoso central, o que ajuda a reduzir a pressão arterial e evitar o risco de ataque cardíaco e AVC (acidente vascular cerebral). A descoberta foi realizada pela pesquisadora Mirian Almeida e apresentada durante o painel Experimental Biology 2018, na reunião anual da Sociedade Americana de Fisiologia (APS em inglês), realizada em San Diego, nos Estados Unidos.

Contraindicações

Por se tratar de uma fonte de probióticos, pessoas em condições especiais, como gestantes, crianças menores de dois anos e indivíduos com alguma imunodeficiência devem consultar um médico ou um nutricionista antes de começar a ingerir a bebida.

Kefir emagrece?

Como o kefir auxilia no trânsito intestinal, traz saciedade e ainda é rico em proteínas, os especialistas entrevistados concordam que o seu consumo regular favorece o processo de emagrecimento. “Em substituição ao leite convencional, o kefir pode ser uma boa alternativa para reduzir o valor calórico da dieta”, afirma Carlos Eduardo Rocha Garcia. Isso por que 100 gramas de kefir têm apenas 37 calorias.

Mas não espere que o kefir sozinho vai fazer você emagrecer. A inclusão da bebida na sua rotina deve ser somente mais uma mudança na sua alimentação e no seu estilo de vida, buscando sempre uma vida com hábitos mais saudáveis

Como é produzido o kefir O kefir é produzido com a submersão temporária dos seus grãos em um substrato, como o leite e a água açucarada.

Eles são uma colônia de microorganismos, normalmente lactobacilos e bifidobactérias. “Contudo, estudos indicam que a sua composição biológica, química e nutricional variam conforme a origem e o modo de produção”, diz a nutróloga Carolina de Paulo Maldi, membro do corpo clínico do Hospital São Luiz e médica na clínica Dra. Nicolle Queiroz.

Tipos de kefir e como fazer em casa Existem incontáveis tipos de grãos de kefir com diversos tipos de microorganismos que variam conforme a região do país. Os cientistas já identificaram 359 espécies isoladas de microorganismos em grãos do alimento de uma residência no Brasil. Os mais comuns por aqui são os de água e leite. Lembrando que o grão pode ser usado em todos os tipos de leite: de vaca, cabra, arroz, amêndoas, coco e soja.

Para fazer em casa, é preciso primeiro ter grãos (que podem ser obtidos com alguém que já cultiva kefir ou comprados na internet). O kefir de água e de leite precisam ser peneirados com acessórios de plástico ou silicone para evitar contaminação. Em seguida, coloque-os em uma jarra, de preferência de vidro, que tenha sido lavada em água fervente.

Coloque duas colheres de sopa dos grãos para cada litro de leite ou três a quatro colheres de sopa dos grãos para cada litro de água com 1/4 de xícara de açúcar mascavo. Cubra com um voal (fralda ou gaze também funcionam bem). Prenda com um elástico e o deixe fermentando entre 24h e 48h. Pode deixá-lo em cima da geladeira ou dentro de um armário, em um lugar escuro. Só tome cuidado com as formigas.

“É importante salientar que quanto maior a temperatura ambiente mais rápido ele irá fermentar e ainda, que quanto mais tempo fermentando, mais ácido ficará. Pode ser que em temperaturas mais quentes, 12 horas já sejam o suficiente”, ensina a nutricionista Tamires Soares, especializada em nutrição clínica funcional.

Depois de fermentado, é só peneirar o kefir para usar os grãos em outra fermentação. Já o líquido obtido pode ser usado em frutas, sucos e afins. E atenção: ao fermentar a bebida, é normal que os grãos cresçam, uma vez que as bactérias estão se alimentando. Se eles continuarem miudinhos após alguns dias, é sinal de que há algo errado com a composição.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp